Mariana Anselmo

Share

No universo do varejo, manter um estoque equilibrado é uma peça-chave para o sucesso do negócio. Hoje, vamos explorar o conceito de estoque mínimo – uma estratégia que permite aos lojistas antecipar a reposição de mercadorias. Evitando, assim, surpresas desagradáveis como a falta de produtos nas prateleiras.

O que é e por que importa?

O estoque mínimo, também conhecido como estoque de segurança, é a quantidade mínima de produtos que uma empresa precisa manter para evitar a temida ruptura de estoque. 

Essa precaução não é apenas uma questão de manter as prateleiras abastecidas. É uma estratégia crucial para garantir a satisfação do cliente e manter o fluxo de receitas.

Imagine o seguinte: um cliente entra na sua loja procurando um item específico. Se esse item não estiver disponível, a chance de perder essa venda é alta. O estoque mínimo entra em cena como um “respiro” para a empresa, permitindo que ela atenda à demanda enquanto aguarda a reposição dos produtos junto aos fornecedores.

Estoque mínimo na prática: dicas e exemplos

Vamos mergulhar um pouco mais na prática do estoque mínimo e como calcular esse indicador para otimizar a gestão de inventário.

Atualize seu inventário de estoque

Certifique-se de ter um controle rigoroso das entradas e saídas de produtos. Utilizar sistemas de ERP e ferramentas tecnológicas simplifica esse processo, evitando erros humanos. Analise relatórios para identificar padrões, produtos mais demandados e tendências de mercado.

Analise a média de vendas diária

Entenda quantos produtos você vende diariamente, calculando o consumo médio diário para cada item. Essa análise ajuda a determinar o tempo necessário para esgotar o estoque atual.

Exemplo 01:

Consumo médio diário de sacos de areia = 500 sacos / 30 dias 

Consumo médio diário = 16,66 sacos por dia 

Exemplo 02: 

Consumo médio diário de martelos = 100 martelos / 365 dias 

Consumo médio diário = 0,27 martelos 

Analise o tempo de reposição

Conheça o tempo que os fornecedores levam para entregar os produtos. Esse dado é crucial para calcular o momento ideal de fazer novos pedidos.

Calcule o estoque mínimo

O estoque mínimo (Emn) é calculado multiplicando o consumo médio diário pelo tempo de reposição:

Estoque mínimo (Emn) = consumo médio diário x tempo de reposição 

Exemplo 01:

Estoque mínimo (Emn) = 16,66 x 2 dias 

Estoque mínimo (Emn) = 33,32 sacos de areia

Exemplo 02:

Estoque mínimo (Emn) = 0,27 x 60 dias 

Estoque mínimo (Emn) = 16,2 martelos

Calcule o ponto de pedido

Considerando fatores como cotação de preços, emissão de pedidos e tempo de preparação, o ponto de pedido ajuda a determinar o momento preciso para iniciar um novo pedido.

Ponto de Pedido = C (média de consumo de mercadorias por dia) x TR (tempo de reposição) + Emn 

Exemplo 01: 

Ponto de Pedido (PP) = (16,66 x 2) + 33,32 

Ponto de Pedido (PP) = 66,64 sacos de areia

Com isso, ao chegar a um estoque de 67 sacos já é recomendado que o lojista inicie o procedimento para solicitar uma nova remessa de maçãs para reposição. 

Exemplo 02: 

Ponto de Pedido (PP) = (0,27 x 60) + 16,2 

Ponto de Pedido (PP) = 32,4 martelos

Ou seja, quando o estoque chegar a 33 martelos, o lojista já deve iniciar a abertura do pedido para o fornecedor. 

Ao compreender o estoque mínimo e calcular o ponto de pedido, os lojistas podem tomar decisões informadas, evitando falta de produtos e garantindo a satisfação do cliente. 

Então, que tal aplicar essas dicas e aprimorar a gestão do seu estoque? A TUL está aqui para garantir que seu negócio prospere! 🚀

***

>> Quer ler mais conteúdo para alavancar o seu negócio? Confira nossa categoria de Empreendedorismo.