Categories: Empreendedorismo

Mariana Anselmo

Share

Se você está envolvido no mundo dos negócios, compreender o poder de compra do brasileiro é mais do que uma curiosidade. É uma necessidade. Essa métrica não apenas reflete a realidade nacional, mas também lança luz sobre os efeitos das políticas econômicas e inflacionárias. 

Para o varejo, acompanhar o pulso do poder de compra é essencial. Isso porque revela expectativas que moldam o cenário, seja de forma positiva ou negativa.

O que é poder de compra?

Vamos começar desmistificando o termo. O poder de compra é o indicador-chave que mede a capacidade de indivíduos, famílias e até mesmo de um país inteiro adquirir bens e serviços com uma certa quantia de dinheiro. 

Esse valor flutua, influenciado por fatores como renda, inflação, disponibilidade de crédito e níveis de preços. Mantendo, assim, uma estreita ligação com o salário mínimo vigente.

Entender o poder de compra do brasileiro é mais do que uma análise fria de números. É uma ferramenta valiosa para decifrar comportamentos do consumidor e antecipar tendências de mercado. 

Esta compreensão não apenas orienta economistas e empresas, mas também o governo, na criação de estratégias que visam um aumento sustentável do poder de compra da população. A intenção é buscar uma distribuição equitativa desse poder para promover uma sociedade economicamente saudável e inclusiva.

Desafios do poder de compra no Brasil

O Brasil, com sua população diversificada e uma economia em constante evolução, enfrenta desafios notáveis em relação ao poder de compra. De acordo com o Relatório Consumer Insights Q2’22, da Kantar, em 2022, o poder de compra brasileiro registrou um crescimento de 2,7%. 

Este aumento, porém, contrasta com desafios anteriores, como a inflação crescente e os impactos econômicos da pandemia.

Embora a inflação tenha recuado este ano, elevando o salário mínimo, ainda estamos longe do ideal. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que o valor necessário para sustentar uma família de quatro pessoas no Brasil seria em torno de R$ 5.969,00. 

Essa disparidade é acentuada pelas variações nos custos de vida, especialmente em áreas urbanas, onde as necessidades básicas como moradia, alimentação, saúde e educação têm custos mais elevados.

O perfil de consumo brasileiro em evolução

O comportamento do consumidor brasileiro está em constante mutação, refletindo as transformações sociais e econômicas do país. Uma tendência notável é o aumento do comércio eletrônico, impulsionado pela acessibilidade à internet e pela conveniência das compras online. 

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), estima-se que o faturamento do e-commerce brasileiro atingirá R$185,7 bilhões ao final deste ano, com um ticket médio de R$470,00. 

Além disso, a busca por uma experiência de compra valiosa tornou-se crucial. Desde o atendimento até a entrega, cada detalhe influencia a decisão de compra. Enquanto a conscientização sobre qualidade e sustentabilidade cresce, o preço ainda é um fator determinante nas decisões de compra. 

Estratégias de precificação competitivas e programas de fidelidade tornam-se essenciais para atrair e manter clientes.

Usando insights para sua estratégia de precificação

Agora que exploramos o poder de compra do brasileiro, fica claro que essas informações não são apenas dados brutos. Ao compreender o cenário econômico e as tendências do consumidor, podemos não apenas adaptar-nos, mas também prosperar em meio a um mercado dinâmico.

Espero que essas informações tenham sido úteis! Boa leitura e sucesso na aplicação desses insights no seu negócio.

***

Quer saber mais sobre precificação? Então, confira mais posts do nosso blog:

>> Você conhece o método dos 3 Cs da precificação?

>> Precificação de produtos: você está fazendo certo?