Categories: Empreendedorismo

Mariana Anselmo

Share
Você sabia que há diversos tipos de máquinas de cartão, cada um com suas particularidades? Vamos explorar mais esse tipo de dispositivo.

As máquinas de cartão chegaram ao Brasil nos anos 1960, mas ganharam destaque nas últimas três décadas, especialmente a partir da mudança na legislação nos anos 2010, permitindo que aceitassem diversas bandeiras e se tornassem mais acessíveis.

Esse cenário levou a um boom no setor, conhecido como a “guerra das máquinas” nos primeiros anos da última década. Foi uma competição entre os fornecedores, trazendo benefícios para lojistas e empresários que podiam negociar condições mais vantajosas.

A realidade da maquininha no Brasil

Atualmente, as máquinas não são exclusivas de grandes empresas e estão presentes em todos os tipos de negócios. Mesmo sem CNPJ, é possível adquirir uma, embora com taxas um pouco mais altas. Isso resultou em uma evolução dos equipamentos, com o surgimento de novos tipos de máquinas de cartão.

A maioria das pessoas costuma identificar as máquinas pelo fornecedor (adquirente), mas essa não é a melhor abordagem. Podemos comparar isso com celulares e operadoras de telefonia. O adquirente é como a operadora, enquanto o equipamento é como o celular. Ter um chip da Claro, TIM ou Vivo não muda o fato de o celular ser da Apple ou Samsung. Isso afeta os serviços e custos, mas não as funcionalidades do aparelho.

É crucial compreender os tipos de máquinas de cartão, além das adquirentes, para determinar as funcionalidades disponíveis no dia a dia. Com esse entendimento, é possível analisar melhor as opções oferecidas pelas adquirentes.

Outra consideração importante é a utilidade das máquinas de cartão no contexto atual. Os meios de pagamento eletrônicos, incluindo o PIX, estão cada vez mais presentes no cotidiano dos brasileiros. Diversos adquirentes estão incorporando funções de PIX em suas máquinas, facilitando o processo e aumentando a segurança das transações.

Além do débito, crédito e PIX, as máquinas de cartão também têm a função de trabalhar com carteiras digitais, como Samsung Pay, Apple Pay e Google Pay, além de serviços como o PicPay.

Por fim, é relevante mencionar os vales-refeição, alimentação e os cartões de benefícios oferecidos pelas empresas aos colaboradores.

Para escolher o tipo de máquina de cartão ideal para o seu comércio, é importante considerar os meios de pagamento que você precisa aceitar.

Os 5 principais tipos de máquinas de cartão

Ao escolher entre os tipos de máquinas de cartão, é fundamental ir além das adquirentes e taxas. Vamos listar os principais tipos para ajudar na sua decisão.

Mini-POS sem chip:

  • Máquinas pequenas e acessíveis, conhecidas como minizinhas.
  • Tela limitada para visualizar o valor da compra.
  • Requerem o celular para processar o pagamento ou emitir comprovantes.

Mini-POS com Chip:

  • Possuem chip 4G, permitindo funcionamento independente do celular.
  • Algumas versões mais modernas têm telas maiores com funções adicionais, como QR Code do PIX.

POS Tradicional:

  • Máquinas maiores com impressora térmica para emitir comprovantes.
  • Mais caras, mas oferecem funcionalidades extras, como estornos e visualização de transações anteriores.
  • Existem versões com chip 4G e opções que se conectam por USB ou Bluetooth ao computador.

Smart POS:

  • Versão “inteligente” das máquinas de cartão.
  • Permitem instalar aplicativos de gestão e oferecem diversas funcionalidades além dos pagamentos.
  • Têm telas touch e são mais modernas.

Pinpad (TEF):

  • Trabalha com o sistema TEF (Transferência Eletrônica de Fundos).
  • O operador não digita os valores diretamente na máquina, pois as informações vêm do sistema no computador.
  • Prático e seguro para ambas as partes.

Como escolher o tipo de máquina ideal?

Para tomar a decisão certa, analise fatores como o perfil do seu negócio, os custos e taxas de cada máquina, a infraestrutura necessária, onde, quando e por quem as máquinas serão utilizadas, e as funcionalidades que você precisa.

Em geral, se trabalha com autoatendimento ou frentes de caixa fixas, um pinpad com funcionalidade TEF pode ser mais indicado. Para quem realiza entregas ou atendimento externo, o POS tradicional pode ser mais interessante. Em situações específicas, os smart POS podem ser uma escolha válida, especialmente se aproveitar os aplicativos disponíveis ou se busca um equipamento mais moderno.

Se a economia é a prioridade, os mini-POS também são opções válidas, cumprindo a função principal de processar compras.

Independentemente do tipo escolhido, recomendamos o uso da máquina em conjunto com um sistema de gestão ERP, que auxiliará na gestão financeira, de estoque e em outros processos administrativos do seu negócio.

Quer mais dicas para gerir o seu negócio?

>> Confira nossa categoria de Empreendedorismo